quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Uma menina rebelde

A alma despe
a sensualidade,
e a loucura
não sabe fingir…

Desculpa, assustei-te?
Venha, venha cá!
Deixa-me ser eu
o dono da tua pele!
Sou a menina rebelde,
que desperta a sede
num impulso ardente.
estranho…
Sou a musa dos pecados,
a escultura do gemido
nos meus lábios,
e ficas escravo do desejo,
na fúria da paixão
que subjuga a tentação…

Na penumbra dos ombros
o meu grito abafado
delicia o peito
num beijo acentuado…

Brinco, brinco com os teus sonhos…
Sentir?
É só quem me lê!
a caneta escorrega-me da mão…
Sou um pedaço de papel,
esquecido do tempo
no teu ser…

Uma menina rebelde
que ainda espera por ti…

Nicoleta Peceli