quinta-feira, 16 de abril de 2015

Faces do Mesmo amor




Faces do Mesmo amor


Quem sabe o amor seja só uma flor caída
Destoando de tudo o que a impureza diz
Quem sabe é só um espinho perdido
Em um olhar entristecido
Ou o que foge do desejo
Se confunde em um sorriso
Algo que persiste
por saber que ainda existe
A esperança de viver
Ou então é a entrega
Ao que foge à regra
E se vai naquelas manhãs
Deixando no suspiro do pecado
do mesmo amor um recado
A fluir antes da morte.

Alessandra Leite